Política do ITeB

Acessos: 2555

A Política do ITeB (Instituto Tecnológico da Borracha) está voltada para o desenvolvimento de educação, tecnologia e inovação de toda a cadeia da borracha, e a divulgação de boas práticas no setor.

Tem um compromisso real com a biodiversidade, uma vez que a seringueira (espécie de exploração econômica com lastro de mais de uma geração - 35 anos) pode impedir o avanço sobre áreas de florestas, além de estar associada à recuperação de áreas degradadas.

 

Os princípios que orientam nossa Política são:

• Transparência e prestação de contas para toda a sociedade e, principalmente, para o setor da borracha, para os parceiros e financiadores;

• Troca de saberes;

• Tecnologia adequada;

• Tendências de mercado e agenda de sustentabilidade nacional e mundial;

• Trato e boas práticas com as culturas locais, valorizando seus hábitos e costumes que possam contribuir para o desenvolvimento socioeconômico.

 

Os valores do Instituto são:

• Dinamizar a cadeia produtiva da borracha natural;

• Atuar na redução do aquecimento global por meio da compensação de emissões de gases de efeito estufa (GEE's) pela formação de seringais sustentados;
 
• Recuperar, regenerar, implantar reserva legal, áreas de proteção permanente (APPs) ou outras áreas protegidas para valorização e resgate da biodiversidade em todos os biomas onde atua;

• Formar agentes, educadores e difusores nos programas relacionados;

• Incrementar nível de renda das famílias envolvidas nos territórios dos projetos financiados, próprios ou em parceria;

• Manter boas parcerias com organizações sérias e constituídas legalmente para atuar nos projetos financiados.

 

O ITeB também tem sua atuação já bem posicionada na região do Médio Paraíba com as seguintes evidências:

• Introdução da seringueira em uma região de áreas devastadas ou com pastos pobres, em uma perspectiva de geração de renda durante 35 anos - a média de incremento de renda familiar do seringueiro é de 1,4 salários mínimos para cada hectare plantado (ref. ago/11);

• Introdução da agrosilvicultura e regeneração de áreas degradadas com os maciços de seringueira e espécies nativas consorciadas com seringueira;

• Melhoria da performance do produtor para recuperação de nascentes, matas ciliares e topos de morros com os programas educacionais associados;

• Formação de lideranças locais com caráter silvicultural e ambiental;

• Empoderamento da mulher (sangradora) e do adolescente difusor ambiental nas escolas e suas redes de influência;

• Melhor articulação e posicionamento do produtor frente às instituições locais públicas e privadas;

• Capacitação do produtor para que ele se torne responsável pelo seu seringal e possa se organizar para crédito agrícola ou ambiental;

• Melhor vínculo e cuidado com a terra e articulação entre produtores na formação dos seringais e na produção futura de látex;

• O Instituto já foi certificado pela Prefeitura Municipal de Barra Mansa como entidade para o bem público por sua atuação, ainda inicial, no desenvolvimento econômico, na mudança cultural do agricultor e na divulgação de práticas ambientais positivas; e

• Possibilidade de transformação de municípios agropecuaristas decadentes em municípios agrosilviculturais.
 
 

 

Ferramentas

bnr 180x150 calc 1
imgcartao